Entrevista com GAROTOS PODRES no Volume Máximo com Patrícia China

Just another WordPress site

Entrevista com GAROTOS PODRES no Volume Máximo com Patrícia China

e aí galera do volume máximo estamos aqui mais uma quarta feira ao vivo na tv geração z é só bater se á china ea de começar o programa criança e mandá-lo para toda a galera que participou do programa na semana passada a galera de santa bárbara de santos então ó galera da baixada que são paulo manda perguntar a gente tentou responder tudo qualquer coisa 6 continue mandando tem todas as informações da banda no facebook do programa é só entrar lá as meninas que quiserem pedir as camisetas a crise era uma propaganda da muleta também é só entrar lá você quiser participar do programa de hoje tem um link aqui embaixo você clica pode se perguntar ao vivo a gente responde aqui no meio do bate papo você pode também usar o twitter que a arroba volume de laine máximo e também está no facebook que a gente também olha lá os comentários responder as perguntas também hoje pra galera do punk então a galera que sempre reclama fala tá a cadeia poder cadê os bancos então a gente trouxe realmente poderosa na influência né não é isso aí não poderia os podres trouxe os amigos né garotos podres não queria que se apresentar sem pagar é pra galera tem muita molecada nova que a nossa legal nome e nem faz idéia do que já fizeram então começa aí tá bom eu sou o seu kata eu acho que eu sou macho não sou o mais velho da banda que também lidade como líder de um período de banda 30 anos na banda lançou o contrabaixista continuando eu sorrio granada qual a paisagem faz uns dez meses conheça-os aos 30 anos agora isso só dez minutos o que tens a banda agora entrei fui convidado em outubro do ano passado e buscar aqui trabalhando eu era road deles acabou em gana fazendo a guitarra é parte da minha família também o sport está de volta e quer dizer nunca parou né mas também com uma formação nova espero que gostem deu certo rodina banda é uma coisa é falar que está dando certo agora quero ver você mandar dar certo até porque já conhece ele já vem acompanhando nosso trabalho já seis anos ele já sendo desenvolvida da banda nem sempre é bom galho não só minha mas por semana no geral né no geral totta o vocalista dodô e se diz ildo esse nome dele também era roubada a quantia de bon scott brown nós vamos botar ele seria o lemmy motorhead que a rohde do time renan tem um monte de história se não o fará os o que cobra metallica também né quando jackson queimou lá vai e volta então por que por que eu saí bem porque é uma pessoa próxima da core já me tocar tudo sabe o jogador dê me uma utilidades né já sabe até o temperamento das pessoas aquela coisa toda não fica próximo de você chamou sabe tocar trompete guitarra experimenta e foi o que aconteceu de eu ser da família um convívio acho que é muito importante como viaja junto turnê já sabe como que é lidar com as pessoas que eu acho que isso é ainda mais importante do que saber tocar porque um dia a dia de uma banda bem confuso entendo alguém próximo você tem um atalho já soluções quebra galho mas e aí galera pra molecada aquino costa monte de gente que tá igual eu tenho lançando sociedade outras 30 mais é aquele que já conhece a foi muito show no abc já levou um quilo de alimento não perecível pra vestir então a gente conhece mas ele estava naquela nota precisam fazer um pouco mais e começou a banda já tem a letra que é do bcb se eu tinha muita banda boa 80 anos 90 a região do abc será até hoje né agora é evidente que acabou diminuindo bastante mas ela sempre foi um celeiro muito bom de bandas e de bandas assim dentro de um contexto underground literalmente porque há o pessoal de são paulo talvez até pela acessibilidade ao centro né

o mercado capital aqui dá do estado de são paulo tal acessibilidade sempre foi muito maior de tempo pra nós na região do abc então há talvez por isso a criatividade a forma de de postura fosse uma coisa assim mais saliente do que do que o pessoal de são paulo até para que se dessem um destaque se chamasse a atenção nós começamos a banda na realidade quem começou a banda foi o mauro eo mal né isso em 1982 final de 1982 e eu entrei no começo de 83 1 fevereiro 83 o primeiro show da banda ele foi pra um sindicato dos metalúrgicos são bernado a fim de angariar alimentos pra fundo de greve é então desde a dor do princípio justamente essa questão do vínculo movimento punk com a questão de fundo social a questão nada o político que na época a gente não pode deixar de lembrar que a gente estava assinado no final do governo militar então ainda existia a ditadura é muitas as pessoas que hoje nos vem nos escuta pode estudar e se ganhou um livro de história mas o viveram a ditadura era diferente do que a gente vê hoje e com isso daí as formas que a gente tinha sim de manusear a cultura manuseado e trabalhar a arte dentro do movimento punk que o movimento punk todo mundo fala movimento punk mas é pela internacionalização do contexto anarquista e isso que dá o contexto de movimento ao punk né isso daí não poderia de não existiria sozinho se não tivesse um lado cultural por trás porque é aquela coisa toda é um exemplo rápido até para que as pessoas entendam imaginem hoje o total dos black blocks montassem uma banda e traduzir se em ritmo em harmonia qual que é o ideal deles qual que é a ideia deles no meio de toda essa bagunça né então foi mais ou menos isso que o garotos podres acabou fazendo saindo assim o paralelo ao movimento punk que colocando harmonia colocando música nos ideais da época da época nem especial contra a ditadura e pra que a gente pudesse lançar o primeiro trabalho o primeiro lp rl pena é enfim mil algumas músicas que tiveram que fugir da originalidade assim nuno contexto por exemplo o papai noel filho da puta é estava o filho da puta depois velho era no comércio espero que mudar tudo ele precisou se adaptar nós fizemos na época era essa essa adaptação não é de filho da puta pra velho batuta então dá uma conotação engraçadinha cada 100 batuta que valide ó aquela coisa toda mas na realidade é um filho da puta que o governo da época da ditadura militar não permitir que esse tipo de coisa influenciasse a juventude ou a música maldita preguiça na época a maldita polícia a início da época da ditadura quando acabou a ditadura sente por dois anos depois o titãs lançou também uma música polícia para quem precisa aquela coisa toda não conseguiram lançar porque foi depois a ditadura se fosse na época teria passado pelo mesmo crime em sabará na briga para vencer a última banda censurada no brasil é assim é é a partir disso acabou a eles a mesma cor teria então é a depois é que em 88 quando quando foi outorgado à constituição acabou a ditadura aquela coisa toda não teria assassinado segundo o nosso último o último disco a última música a ser censurada tenha sido justamente garotos podres foi engraçado esse negócio e liam e depois de um tempo não me recordo agora época mas é na época do collor nós voltamos a música fernandinho viadinho na época do collor 1 é e engraçado não tinha mais a ditadura oficialmente mas por uma ordem por uma determinação do ministério da justiça proibiram as rádios de veicular o fernandinho viadinho e é engraçado que na época não me lembro qual rádio que foi o que acabou desafiando essa situação aí e continua tocando né entrou na programação continuou tocando assim tipo acabou a ditadura porque estão querendo impor mas o que é igual que se soube depois da história toda que nós

conseguimos atingir ainda que indiretamente o próprio collor ele ouviu ele não gostou ele entendeu a mensagem e por intermédio da articulação política atingiu as rádios para não executarem as músicas da gente outra moto um lance muito engraçado também no final da sessão dessa época da ditadura do governo militar nós fechamos com uma gravadora chamada looping çom uma tragédia as casas desabam nelson web é joão rivaldo e isso porque nos negócios é uma barbaridade mas como a gente não tinha dinheiro para lançar o disco pra lançar o vinil tomamos alguns fãs vamos dançar com eles né aí realmente lançamos o disco em e se essa prensagem seriam na época 10 mil que nós fomos a primeira banda assim dependente a quebrar recordes de vendas nós vendemos do primeiro disco na época 75 mil cópias uma coisa assim em 24 horas e até hoje segundo consta como banda independente que nós passamos de 350 mil cópias no geral e segundo consta até hoje a gente mantém esse rótulo é que se a banda independente que mais vendeu em menos tempo né e lançar um disco tá no ct drogas por lançar só que na época na continental gt claro que era um homem que pensavam os vinis erraram colocar o disco da maria bethânia dentro do da capa do garotos podres e do garoto foi dentro da maria bethânia maria vencer é legal pra caralho a maria bethânia e só perceberam pela quantidade de queixas é que o seu comportamento embora a mãe ande não estão encontrando como vídeo – pude então é todo mundo ajudou a disseminar é a mãe fala já fora essa porcaria o moleque pegou esse tipo de coisa assim acabou não um monte de marketing mas acabou funcionando muito bem nessa história toda a circunstância da defesa e depois consertaram a continental rumor foi nada trocou o lote pegou amor consertou vai vender para barbaridade nós não recebemos nem nunca pus aliás é uma tradição de garotos podres tempo na relação com gravador e não receber punk é um paradoxo é a mesma coisa tem processo rodando até onde quanta paradoxo mas enfim e aí nós de raiva do sinal de protesto que também vai deixar passar batido um negócio desse nós descemos a situação dele e de trem da sé e fomos que a opção era o escritório da galera na praça da república nós fomos da estação da luz até a praça da república para quem não conhece há mais ou menos um quilômetro e meio andando e pisando em merda visando contente assim merda de cachorro merda de gente vai ficar aqui ou ali já enxergamos os pés de merda e entramos dentro da gravadora dentro no carpete que ficar pertinho cinza sabe aquela coisinha linda se aquele cheirinho de plástico estava limpando os pés dentro da gravadora no carpete limpando nos arquivos tal e aí que eles fizeram nossa casa ficava puto da vida com a gente a apple sai daqui e vai pra fora para tocar a gente da sala da reunião era coisa toda mas até já estava no contexto a gente imaginava que fosse acontecer isso só quero que eles fizeram de sacanagem né em vez de por que nosso primeiro lp inclusive ganhou um prêmio urso no seu pela palma em berlim da da capa um prêmio sobre a questão artística da capa é uma criança segurando uma mamadeira na frente de um biafra atrás ganhamos um prêmio na alemanha tal na época e aí o que eles fizeram eles mudaram a capa e colocar uma foto nossa que a gente brincando a gente tinha tirado essa foto assim no num parapeito de um prédio no centro de são paulo no chelsea como estivessem mortas né tirar a foto tá brincando com a gente aí eles mudaram a cap colocar o inglês de mais poderes do que nunca colocaram o título pisando na merda censurado de novo que não podia colocar pisando na merda e depois não conseguiram lá sai lançado de novo satirizando na ele vinha da gravadora se encontra tão besta só que todas essas pauladas que a gente acabou levando como acabou o tabu enriquecendo é na questão do marketing início da viagem ajudou bastante e até hoje é assim no decorrer da trajetória

tava tocando no brasil inteiro viajando cada rincão desse país aqui pelo amor de deus europa tal não sei que temos um a um proporcionalmente nós temos mais público em portugal do que aqui no brasil é proporcionalmente até pela população é uma coisa toda e agora nós estamos dentro dessa desse novo contexto da banda né passamos por algumas alterações na formação normal todo mundo que se aguenta durante 30 anos de casamento acaba por muito menos a gente vencer segurança e mantendo o nome durante 30 anos e é legal isso que estão falando porque tem muita molecada que tem banda punk e que porra nenhuma não é nada não tem nada da história não tem o contexto faz um uma coisa sem sentido depois vai acaba mudando sou mudando tudo você não ser desde o começo persistindo muito por um ideal eu acho que é por isso que as bandas punk dos anos 80 anos tem uma novidade seria a gente ainda continua no sexto você pode encontrar algumas fotos porque a falta de coisa nova pra quem está interessado no movimento e na história começa a resgatar bandas do 280 porque de lançamento você não vê nada de que tem uma consistência alguma teoria hoje em dia um pacotão de tudo pasteurizada tudo igual e entra a minha grade nada você sabe o que quer da intenção da cim analisando é mais detalhadamente que há entre aspas né dessa falsa liberdade que a gente vive ela acomoda as pessoas enquanto que na na situação da ditadura aquela coisa que você não pode se reunir em 23 amigos numa esquina para conversar a polícia chega para bater em um bate mata da fim no corpo aquela coisa toda então esse tipo de situação assim mas controlada disso daí faz com que as pessoas como água procure influir de outras maneiras é isso aí acaba desenvolvendo enriquecendo a própria cultura que hoje se a gente pegar a questão tanto até da própria bossa nova um chico buarque da vida gilberto gil néca da batucada qualquer grupo 4 bilhão na área machucada quando ele foi obrigado na hora da da europa crédito não é da tropicália se você pegar assim essas pessoas elas justamente criar uma identidade uma uma função ideológica de de contestação no período de ditadura porque se não tivesse cá pra nós essa esse período na nossa história bem provável que até hoje a turma estaria com um pandeiro e um batuque debaixo do braço você entendeu não teria uma diferença uma distinção da relação cultural do que seria a origem da da índia o escravo aquela coisa toda com a evolução eo desenvolvimento das pessoas assim que normalmente são descendentes de europeus aquela coisa toda que deram uma uma polida no lado cultural nós e é uma coisa interessante a téo que olhando estava falando que o aluno não tem mais nada de novo no mundo na minha interpretação dos motivos seja esse plano justamente pelo comodismo da circunstância por essa falsa segundo liberdade que a gente vive ea outra mesmo é a própria preguiça mental que acaba se desenvolvendo as pessoas que você pega uma situação como essa que está acontecendo os próprios né black block black blocks né a questão dando crime organizado essas coisas todas esse tipo de vivência pode ser transferida pode ser pode ser desenvolvida no lado artístico da coisa ea representação disso queira ou não queira fundamento o fato histórico que é o rap faz né então hoje o grande substituto do movimento punk em termos de contestação musicada é o rap social que é uma questão social de você aproveitar a péssima circunstância que você vive pra colocar um contexto assim mais harmonioso digamos para poder enfrentar isso daí e transferir a sua mensagem para mais pessoas possível num animal vocês é que começará a banda vocês viveram a ditadura e hoje vocês conseguem enxergar as ditaduras que a

ditadura disfarçada na final aqui mas a gente tem medo da mesma idade né e e aí pra gente viu isso quando a gente cresceu geral já era diferente já estava tudo mais maquiado para você como é que na verdade é que acompanhei todas essas manifestações todas as partes até de algumas também é bastante violento e que agora eu acaba sendo umas coisas novas sem por fazer por liberais nas músicas por liberdade expressão toda aí né e todo mundo pode escrever sobre o que quiser se você vai ter só aquela do faturamento passado não vai deixar de tocar tudo bem que a galera vai ganhar vai ter uma puta falta de espaço você pode fazê lo na guiné não aproveitar a chance que tem se expressado hoje os canais de informação tão aberto para todo mundo que está lá falou fui correto e com uma das únicas estilos de música que eles canalizam desfiles vão ao fundo ainda mais na realidade o que acontece mesmo sabe que é uma coisa bem pesada mesmo ele expõe expõe na parede e o que tem muita gente que poderia estar causando isso também próxima para se pronunciar anúncio que morreu não segue às vezes há o próprio cá pra nós é o o que dá pra entender a história toda que atende toda essa transformação social e ali suposta abertura que na realidade se falou e falou muito bem a gente vive uma ditadura disfarçada eu até uma força um pouco mais são duas evitador econômica e ambiental dura popular porque o você tem dinheiro pra tá em filtrado dentro das grandes êxitos das grandes movimentações artísticas culturais ou se não você está dentro de uma condição subiu de julgada que vai ter que ouvir é isso que eu estou colocando pra vocês vai ter que entender isso daqui vai sair sambando rebolando por aí né então edson uma situação delicada difícil mas o punk de uma forma geral você encontra ele no dia-a-dia em abraçar com os de outras formas na sua calça rasgada no piercing então essa expressão de entre aspas rebeldia porque é o que sai fora dada do da batida comercial é onde você encontra um punk 8 enquanto caiu até uma expressão com alguma coisa tá muito sustentada no futuro e foi quanto de negócios concordo com você ainda está por aí tá tá infiltrado é eu quero ser um bom eles ele serve de alicerce né de justificativa pra o comportamento das pessoas eu estou falando muito dos black blocks da história toda porque eu admiro a atitude dos caras mas eu não concordo com a forma que isso já está sendo utilizado também não porque sendo atitude é uma coisa pessoal artística seria talvez muito mais eficiente é pra tornar se um grandioso coisa importante como foi o momento para que os anos a coisa e essa é sem sentido ficar sem cinco de nós mesmos que vão acabar pagando todo esse prejuízo à instituição o nosso gosto de atacar o cara que faz o governo o poder do estado tem que ir lá na casa nós mesmo que lá na casa do senador na média da nota penso não a quebrar uma barraca um supermercado é então que era dono de uma banca de revista tem a ver com isso iniciante na e se você pega sem qualquer qualquer diferença de atitude do desses caras que vêm aqui paulista que aqui para ficar por quebrar a coisa mais simples e fácil do mundo e os caras e anteontem ontem que lá da fernão dias que paralisar os caminhões e rico e colocaram fogo no caminhão a diferença entretanto é bom fazer essa volta com projeto então já então não dá para concordar com esse tipo de coisa enquanto que o punk ele tenha pelo menos uma bandeira da dança na circunstância toda que seria o anarquismo viver sem um bom terra tesão em autogestão na que seria a base da coisa toda então se você pegar até hoje o os funks na europa e no mundo inteiro não têm essa enfrento eu tenho o enfrentamento está aquela coisa todo um contexto social mas você vê eles vivem dentro de um sistema na pista entre eles dentro dos planos dos escores né eles eles cultivam a horta deles eles criam os bichos deles eles fazem a vida deles e independência às vezes o pessoal tá queimando ônibus que a horta quer fazer né acho que mostrando a cara todo mundo

ficou vendido é com certeza ela era a gente vai para o intervalo do espectáculo de futebol